O corpo alcança o que a mente quer.

Fisioterapia Infantil
Fisioterapia Infantil 20 Setembro

O Linfoma atinge cerca de 1700 portugueses por ano!

Dia Mundial do Linfoma
Dia Mundial do Linfoma 15 Setembro
Fisioterapia Infantil

O corpo alcança o que a mente quer.

Fisioterapia Infantil 20 Setembro

O que é a fisioterapia pediátrica?

É uma área clínica da fisioterapia que se centra na melhoria da qualidade de vida de crianças dos 0 aos 18 anos, na sua integração social e familiar e no aumento da sua funcionalidade. Este projeto tem como objetivo promover a saúde das crianças, nas diversas áreas de atuação, com especial enfoque no ensino de estratégias aos pais ou cuidadores.

Fisioterapia no desenvolvimento sensório-motor:

O atingimento de algumas etapas do desenvolvimento podem ser diferentes de criança para criança, sem que isso signifique necessariamente a presença de uma patologia.

Nestas situações é útil a realização Fisioterapia de forma a ajudar a que cada etapa seja atingida da forma mais correta, ajudando a potenciar a progressão do desenvolvimento.

Com a orientação da Fisioterapeuta a criança enquanto brinca poderá assumir posições e experienciar sensações que sozinha teria dificuldade. 

Desta forma irá conseguir uma melhor interação  com os brinquedos, com as pessoas e com o espaço que a rodeia, desenvolvendo para além da componente motora, as capacidades manipulativas, linguísticas e comportamento social.

Através de técnicas de Osteopatia Pediátrica é possível restabelecer a função das estruturas e sistemas corporais, agindo através da intervenção manual sobre os tecidos.

Este tratamento incide sobre o aparelho músculo-esquelético, estruturas osteotendinosas, muscular e fascial, mas também sobre o sistema nervoso, digestivo e respiratório, o que permitindo ao fisioterapeuta abordar vários desequilíbrios, harmonizando todo o corpo, em situações como:

 

  • Deformações cranianas: braquicefalias, plagiocefalias
  • Torcicolo muscular congénito
  • Irritabilidade/Choro
  • Perturbações do sono
  • Parésias faciais
  • Plexopatias braquiais
  • Displasia da anca
  • Obstipação
  • Cólicas
  • Refluxo
  • Escoliose

Fisioterapia respiratória:

O tratamento de Fisioterapia visa melhorar os sintomas associados a condições respiratórias, tais como obstrução nasal e bronquiolite, pneumonia e fibrose cística. Com base no exame físico, incluindo auscultação, serão aplicadas as técnicas mais apropriadas para efetuar desobstrução das vias aéreas superiores e higiene brônquica das vias aéreas inferiores, isto é, limpeza das secreções pulmonares, melhorando portanto a eficiência respiratória (maior conforto com melhoria na alimentação e na qualidade do sono).Dependendo da fase da condição, a criança poderá ter indicação para realizar medicação prescrita por um médico pediatra. As técnicas de fisioterapia são um complemento da medicação. Desta forma, apenas com uma sessão, é espectável ver melhoria dos sintomas.

 

Ponta Delgada, 18 de Setembro de 2017

Fisioterapeuta Mariana Amaral Ferreira (imagem esq.)

Fisioterapeuta Sara Oliveira Valério  (imagem dir.) 

 

 

 
Dia Mundial do Linfoma

O Linfoma atinge cerca de 1700 portugueses por ano!

Dia Mundial do Linfoma 15 Setembro

A patologia oncológica:

O linfoma é uma neoplasia maligna que resulta do crescimento anormal de células do sistema linfático, é a quinta causa de morte relacionada com cancro nos homens e a sexta causa de morte nas mulheres.

Sintomas:

Os sintomas do linfoma são pouco específicos, porque são comuns a um grande número de doenças, o que dificulta o diagnóstico inicial. O sintoma mais frequente é o aparecimento de um gânglio linfático aumentado de tamanho, que não causa dor e pode estar localizado no pescoço, axilas ou virilhas. Outros sintomas que podem surgir são: suores intensos durante a noite, febre sem explicação, cansaço extremo e perda de peso inexplicável. Por vezes não existem quaisquer sintomas e o linfoma é descoberto de forma acidental durante um exame médico de rotina.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito por meio de biópsia ganglionar excisional nos casos onde exista suspeita clínica.

Classificação

De certa forma podemos classificar o linfoma em duas categorias: os linfomas de Hodgkin e os linfomas não-Hodgkin .Cada categoria abrange inúmeros subtipos de linfomas mais específicos ainda que com comportamentos biológicos e prognósticos diferentes.

Tratamento

Quanto ao tratamento, a quimioterapia e a radioterapia são os mais indicados dependendo sempre de cada subtipo de linfoma, extensão da doença e das características do paciente em questão.

 

 
Ao usar este website, está a aceitar a utilização de cookies para análise, conteúdo personalizado e apresentação de anúncios.